HomeMinas GeraisJoesley afirma esquema para repassar R$ 30 milhões a Pimentel, via Mineirão

Joesley afirma esquema para repassar R$ 30 milhões a Pimentel, via Mineirão

As delações do empresário Joesley Batista continuam causando estragos na política nacional e mineira. O empresário, proprietário da JBS, disse em delação premiada que o estádio Mineirão foi usado para repassar R$ 30 milhões ao então governador eleito de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), em 2014.

Batista falou que se encontrou com Pimentel no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, e que foi orientado pelo político a comprar 3% das ações do estádio da HAP Engenharia – uma das empresas que integravam o consórcio Minas Arena, que controla o estádio.

Veja um trecho da delação – “Ele (Pimentel)me recebeu lá no hangar mesmo, R$ 30 milhões, tudo bem. Para viabilizar, ele me apresentou um sujeito, que era o dono de uma construtora, que me vendeu 3% de um estádio”, disse Joesley.

Leia também: Robô desenvolvido por estudantes visita Santa Casa de Lagoa Santa

Batista contou ainda que o pagamento do valor foi acertado por meio do então tesoureiro da campanha do PT, Edinho Silva, e que Pimentel já havia conversado com a então presidente da República, Dilma Rousseff (PT), e que ela havia indicado que o valor deveria ser pago a Pimentel.

Segundo a assessoria do governador, Fernando Pimentel afirma que o delator faz uma “acusação leviana e mentirosa” e que não apresenta provas ou evidências materiais. Pimentel nega que tenha recebido valores da JBS. Sobre a HAP, afirmou que a empresa já esclareceu publicamente que exerceu o direito de compra e venda de ações e que a transação seguiu trâmites legais, não tendo havido repasse a político ou partido.

 

 

 

 

 

 

 

A HAP Engenharia confirmou a operação de venda de 3% de 16% das ações, mas esclareceu que para a formalização da transferência ainda aguarda a anuência de instituições financeiras. Ainda segundo a HAP, o processo de conclusão tem várias etapas, pode se alongar e após a aprovação da venda e registro público na junta comercial o último passo são as anuências dos bancos.

A empresa afirmou também que os recursos foram totalmente destinados à operação da construtora, não tendo havido repasse de qualquer parte a político ou partido político. A HAP se colocou à disposição da Justiça para apresentar os comprovantes da transação e da destinação dos recursos e para prestar todos os esclarecimentos necessários.

A Minas Arena, concessionária que administra o Mineirão, nega que a J&F e a JBS sejam acionistas do estádio e afirma não ter recebido autorizações necessárias para formalização de compra e venda de ações.

O diretório regional do PT-MG garantiu que todas as informações referentes à prestação de contas eleitorais, assim como de seus candidatos, foram devidamente apresentadas à Justiça Eleitoral. O PT Nacional não vai se posicionar.

Batista contou ainda que o pagamento do valor foi acertado por meio do então tesoureiro da campanha do PT, Edinho Silva, e que Pimentel já havia conversado com a então presidente da República, Dilma Rousseff (PT), e que ela havia indicado que o valor deveria ser pago a Pimentel.

Em nota, assessoria de imprensa da ex-presidente Dilma Rousseff, do PT, disse que as afirmações do empresário Joesley Batista são improcedentes e inverídicas, que ela jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário, nem de terceiros, doações, pagamentos ou financiamentos ilegais para campanhas eleitorais.
Por Felipe Cruz, com colaboração do Portal G1.

Fullys
Compartilhar com:
Classifique este artigo

Formado em Jornalismo pelo Uni-BH, especializado em Marketing Político e Mídias Digitais. Ceo do Vetor Norte Notícias e editor-chefe do Portal. "Acredite nos seus sonhos e vá em busca de realizá-lo". Obrigado pela confiança no Vetor Norte Notícias! Faça contato conosco - 3681-6467.

jrfelipecruz@gmail.com

Comentários

Comente